sábado, 23 de dezembro de 2017

FOGOS FLORESTAIS - UNIÃO PROGRESSIVA ENTREGA SEGUNDO DONATIVO


A União Progressiva da Freguesia do Colmeal, durante a habitual Festa de Natal realizada no passado dia 10 de Dezembro, no Centro de Cultura e Convívio, entregou um segundo donativo à Junta da União das Freguesias de Cadafaz e Colmeal.

O cheque, no valor de seiscentos euros, foi entregue à Senhora Tesoureira da Junta, na ausência do Senhores Presidente e Secretário. Este montante resultou da simpatia e generosidade, sempre presentes, dos associados que responderam afirmativamente à solicitação que a colectividade havia feito.

Já anteriormente, a União Progressiva havia decidido em reunião de Direcção, fazer entrega à Junta de um cheque de dez mil euros, para poder, como entidade que mais próxima se encontra das situações, acorrer às que sejam consideradas mais gravosas, sabendo de antemão que o processo burocrático de candidaturas é sempre moroso.

A Direcção



INCÊNDIOS DE OUTUBRO. DOIS MESES DEPOIS


Ardeu a 16 de outubro, mas em aldeias próximas já tinha ardido no dia e na semana anteriores. Dois meses depois, persistem o luto e a tristeza da serra, das terras e das almas, sem tréguas ou fuga possível, ande-se para sul, norte, nascente ou poente. Perdas incomensuráveis, inenarráveis, irreparáveis, nomeadamente nos campos da memória, da biodiversidade e do património construído.


O território parece outro, na crueza das suas escarpas xistosas e na evidência do papel do homem na construção da paisagem. Desaparecido o denso manto verde que o cobria, veem-se por toda a parte penhascos novos (!), caminhos antigos, barrocos que desviavam as águas dos terrenos de cultivo, “combâros”, socalcos magros que protegiam da erosão e asseguravam mal o sustento frugal das pessoas, currais agora transformados em ruinas.



Nos olivais, a azeitona jaz no chão atormentada, sem ter dado ao mundo a luz que prometia. Nas zonas de pinhal, o chão e as estradas acastanham da caruma caída, uma ameaça escorregadia como gelo. As árvores de fruto ou continuam de pé desamparadas ou já foram decepadas, umas quase rentes para que renasçam vigorosas, outras mais por cima, tudo dependendo do método de recuperação defendido. Muitas não o farão, tão fundo o fogo cavou em seu corpo indefeso, jovem ou centenário. As feridas abertas lembram bocarras medonhas e frias.








Até agora, choveu muito pouco. Todavia, sem vegetação que retenha a água e a faça penetrar no solo ressequido, o suficiente para somar devastação à devastação. Apressados, negros e lamacentos, os caudais formados precipitaram-se serra abaixo, destruindo terrenos e atolando estradas e rios.

Mas há indícios de esperança! As ervas e os fetos que despontam pujantes a verdejar de diferença, o “tertulho” sem par desabrochado de um fungo que resistiu ao fogo e ao calor intenso, milhares e milhares de formigas amontoadas a manifestarem-se. Por serem assim ou em sinal de desagrado, apresentam o ventre vermelho. Lentamente, as aves que restaram – talvez 5% dos efetivos habituais – vão retomando as suas rotinas, umas usando a água gelada para se limparem da experiência, outas debicando no comedouro novo, criação em xisto com que o Valdemar as brindou. Não chilreiam, ainda mudas de incredulidade e pavor. Sobre os outros animais, há quem diga ter visto um esquilo à procura de castanhas cruas, uma mãe javali com as crias muito enfezadas, uma raposa morta na beira da estrada … Enfim, é a natureza a refazer-se, com o poder regenerador e a generosidade de que os homens ainda a não privaram. Para as cabras, a ADIBER tem trazido comida, de um produtor solidário chegaram dois porquinhos. Muito bonito.











De resto, no que dos humanos e das instituições depende, nada mais aconteceu. Falando apenas da nossa localidade de residência, onde ardeu até dentro de casa, mas apenas uma segunda habitação se perdeu: a água que faltou continua insuficiente; os tubos que arderam, entrapados ou disformes à vista; as bocas-de-incêndio, inexistentes; as telecomunicações ausentes; a floresta consumida, de pé, à espera de mão amiga que a lance à terra e remova, para que possa renascer.


Lisete de Matos

Açor, Colmeal 19 de dezembro de 2017.

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

86º ANIVERSÁRIO da U. P. F. COLMEAL


Todas as associações regionalistas, comissões de melhoramentos, ligas e grupos de amigos, comemoram anualmente, com grande dignidade e muito entusiasmo, empenhando-se para reunir a sua massa associativa, por vezes tão dispersa geograficamente, no que é para todos e no que representa para todos, o almoço de aniversário da sua colectividade.

Quem acompanha de perto o movimento regionalista e a imprensa regional, sabe o que se tem escrito sobre almoços de aniversário. Basta ler / reler Maria Beatriz Rocha Trindade, António Lopes Machado, João Nogueira Ramos, ou da nossa freguesia, Lisete Paula de Almeida de Matos, António Santos Almeida (Fontes), António Simões Lopes, Fernando Costa ou Henrique Mendes.

Continuando a pugnar pela introdução de um pequeno apontamento cultural na comemoração de cada um dos nossos aniversários, ocupámos parte da manhã a visitar o Museu Rural e do Vinho do Concelho do Cartaxo, que se encontra instalado na Quinta das Pratas, em diferentes edifícios que outrora tiveram funções de apoio à actividade agrícola da quinta.



A visita iniciou-se pela exposição de carácter permanente com a apresentação de elementos geográficos, etnográficos e históricos do concelho. Objectos associados ao pão, ao azeite, ao cavalo e ao touro, tais como: o arado, o mangual, a tremonha, a talha, o pote para a azeitona, a espora, a sela, o freio, a cabeçada, o estribo, o traje do campino, a casaca do cavaleiro, o chocalho, a guizeira, etc..
Num alpendre, objectos que documentam a mecanização agrícola nos campos do Ribatejo: tractor agrícola, carro de bois, charrua brabant dupla ou de volta aiveca, charrua pombal, grade de ferro, canga, peneiro e ensacador de farinha. Na taberna tradicional, reconstruída com todos os elementos característicos deste espaço de convívio, houve uma prova de vinhos ribatejanos, branco e tinto. Para finalizar, entrámos numa antiga adega, restaurada, onde nos foram apresentadas as várias fases da produção do vinho. Este espaço é hoje, uma referência nacional, para o público em geral, e sobretudo, para os especialistas da cultura vitivinícola.













O almoço foi servido, como informámos, na Quinta da Feteira, em Fazendas de Almeirim, onde já havíamos comemorado dois aniversários. Entradas servidas no exterior, com um dia em que o tempo foi “nosso amigo”. Um autocarro vindo do Colmeal, dois de Lisboa e transporte próprio, trouxeram até àquele espaço acolhedor mais de duzentos sócios e amigos da União progressiva.
Excelente serviço. Um convívio onde não faltou alegria e animação. O lanche serviu para retemperar energias gastas com a bailação. Antes de se cantarem os parabéns, o presidente da União, num breve improviso recordou as actividades mais recentes e com todos os seus colegas, dos vários órgãos, perto de si, não deixou dúvidas de que a colectividade é um conjunto empenhado em trabalhar para que a União possa continuar a ser apontada como uma referência no meio regionalista. Carlos de Jesus anterior presidente da Junta de Freguesia, aproveitou para se despedir dos presentes, e manifestou o seu agrado pelo modo como sempre foi possível colaborar com a União.

































União Progressiva da Freguesia do Colmeal. Oitenta e seis anos.
A colectividade mais antiga da freguesia e uma das mais antigas do concelho.

UPFC